• strict warning: Declaration of content_handler_field_multiple::pre_render() should be compatible with views_handler_field::pre_render($values) in /var/www/desarquivo/desarquivo.org/public_html/sites/all/modules/cck/includes/views/handlers/content_handler_field_multiple.inc on line 0.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_style_default::options() should be compatible with views_object::options() in /var/www/desarquivo/desarquivo.org/public_html/sites/all/modules/contrib/views/plugins/views_plugin_style_default.inc on line 0.

Cartografias da Emergência - novas lutas no Brasil

Enviado por aarquivista, qua, 2017-02-15 07:09


São Paulo

{da introdução}

 

"Ao entrevistar pessoas e coletivos que expressam algumas das novas lutas políticas na última década no Brasil, tentamos aqui esboçar uma “cartogra a da emergência”. Intuímos que a marcha das vadias, a UNEAFRO, as lutas indígenas Tupinambá do Sul da Bahia, as intersecções entre cultura e política do Norte Comum, o coco de Mãe Beth de Oxum e o Grupo Saravá são alguns dos casos – digamos – paradigmáticos de uma nova geração política.

Walter Benjamin dizia, na segunda tese sobre o conceito de história, que à toda geração foi concedida uma parte da força messiânica de transformar, revolucionar o mundo2. Numa chave benjaminiana de que todas as lutas questionam não somente as atuais opressões e injustiças mas igualmente as do passado, havendo uma possível libertação conjunta, não se deve es- tranhar que “novas lutas” estejam associadas, em vários momentos, à ideia de ancestralidade. Trata-se de perceber “a insurreição perpétua, subterrânea, que pulsa incessantemente por debaixo da torrente estercorária de hipocri- sia, brutalidade e estupidez que de ne a história do Brasil tal como ‘feita

pelas classes dominantes. Se o Brasil é o ‘país do futuro’, é porque este é um país onde a conta de seu passado escravista, etnocida e ecocida ainda não foi cobrada. Mas vai ser” (Viveiros de Castro3). O levante Tupinambá, a mobi- lização negra e o coco, afro-indígena, trazem e celebram essa ancestralidade transformadora.

Trata-se aqui de tatear uma compreensão e diálogo com essa nova gera- ção política. Pensar em termos de “geração política” nos parece interessante na medida em que esse conceito se abre para pensarmos também o conjunto de experiências políticas comuns que afeta e produz subjetividades em um determinado período: suas questões, ssuras, dilemas e rupturas. Não se trata, portanto, de um corte geracional no sentido etário (inclusive a idade dos entrevistados é variada), mas de pensar uma produção política a partir de uma experiência comum de embates, questões e desejos que se abrem em um determinado momento histórico. "


2015


Relacionados



 

Compartilhe na rede

Comentários

Adicionar Comentário

Se logue ou se registre para poder enviar comentários